Escritos do Cláudio
Não importa quem sou .Importante sim, de que me sujo.
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Perfil Livros à Venda Contato Links
Textos

DO TEMPO QUE RESSOA

 

Na boca fechada não entra mosquito

Mosquito sem asa não voa

Da boca calada não se ouve grito

Mas um silêncio que ecoa.

 

O sujeito passa com passo esquisito

Resquício do tempo que ressoa

Se há pressa é porque está aflito

A aflição é sino que soa.

 

O que se ouve é estrondo do conflito

Condição para ficar numa boa

Eu rondo pela cidade no seu delito

Delírio de quem ronca e não zoa.

 

Na estridência da canção do apito

O sangramento de uma pessoa

Eu sei que na vida cada gesto é um rito

Mas o sujeito ri à toa

E cada um quer se tornar um mito

Mais que rir, caçoa.

Cláudio Antonio Mendes
Enviado por Cláudio Antonio Mendes em 09/12/2021
Alterado em 09/12/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
O CASTELO DE ALICE Cláudio Antonio Mendes R$ 35,00 VERSOS INFECTANTES: (MÓ)MENTOS DE UMA PANDEMI... Cláudio Antonio Mendes R$ 10,00 O HOMEM & SUAS PERDAS Cláudio Antonio Mendes R$ 20,00 DECALOGIAS POÉTICAS Cláudio Antonio Mendes R$ 20,00 UNI VERSOS Cláudio Antonio Mendes R$ 20,00
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Perfil Livros à Venda Contato Links