Escritos do Cláudio

Não importa quem sou .Importante sim, de que me sujo.

Textos


ABELARDO abriu a janela. Não tinha em sua mente ainda sonolenta planejado o que queria ver além da moça. Sabia que todo dia Mariana passava ali no mesmo horário, exceto domingo. Domingo as coisas tendem a ser diferentes. Mas se a gente não o fizer nada diferente, o domingo vira um dia igual, um dia qualquer. Não adianta avermelhar o número no papel e pendurá-lo na cozinha, na copa, ou em qualquer lugar. Ele não sabia que dia da semana estava começando a vivenciar, pois as horas que a gente dorme não contam. Não contam mesmo, nem os sonhos contam. Mariana não passou, devia ser domingo. Não, não era domingo. Era uma sexta-feira, quase domingo. Mas a moça não passou. Para ela não teria mais dia ou noite. A morte,  que na sua miséria carece de sol e de lua, sente fome de gente igual a Mariana.
Cláudio Antonio Mendes
Enviado por Cláudio Antonio Mendes em 21/07/2020
Alterado em 22/07/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Tweet
O CASTELO DE ALICE Cláudio Antonio Mendes R$30,00 VERSOS INFECTANTES: (MÓ)MENTOS DE UMA PANDEMI... Cláudio Antonio Mendes R$20,00 O HOMEM & SUAS PERDAS Cláudio Antonio Mendes R$20,00 DECALOGIAS POÉTICAS Cláudio Antonio Mendes R$20,00 UNI VERSOS Cláudio Antonio Mendes R$20,00