Escritos do Cláudio

Não importa quem sou .Importante sim, de que me sujo.

Textos


 
A CONTRIBUIÇÃO
        
 
          — Hoje não é dia de ninguém morrer.
         — É sim. Todo dia morre muitas pessoas para que outras possam nascer. O planetinha não suporta tanta gente, não dá para encher o pandú de todo mundo.
         — Mas se bem que o mundo podia dar um tempo, um dia. Talvez hoje ou amanhã.
         — Hoje já deve ter morrido um montão lá onde a tarde já começou. Japão, por exemplo, quantos já morreram hoje.
         — Se bem que no Japão as pessoas têm a mania de viver muito.
         — Mas lá tem o Death Note, lembra-se do filme?
         — Aquilo é ficção, seu lesado. Death note não existe. Se bem que se existisse daria uma ajuda para nós. Na verdade o filme é uma adaptação do mangá.
         — Então a gente precisa encontrar um.
         — O mangá?
         — Não. O livro.
         — Mas primeiro a gente vai ter que discutir que dia é dia de morrer pessoas. O sol não se esconde atrás da montanha, não completar sua rotação, sem arrastar para a sepultura um tantão de pessoas que nem faço ideia de quantas.
         — Talvez se a gente pesquisar na internet a gente vai saber quantas. Mas também o sol não se esconde antes de arrancar do ventre outras tantas. E mesmo depois que ele se vai, vem a noite que faz o mesmo, leva muitos e traz muito mais.
         — Eta, você hoje está poético pra caramba.
         — Eu tô mesmo é com o sangue fervendo na veia. Acho que a gente precisa dar a nossa contribuição quinzenal.
         — Achei que se a gente desse um tempo ia ser melhor.
         — Não, não vai ser melhor. Vai acumular. E por falar nisso, acho que hoje a gente poderia cumprir a nossa tarefa.
         — Sim. Vamos cumprir hoje. Agora são quinze minutos depois da meia-noite. Tem como você vir até aqui?
         — Tem. Dou um jeito aqui. Vai ser a vez das sedutoras ou dos idiotas?
         — Das sedutoras. Na primeira quinzena são as sedutoras. Na segunda é que são os idiotas.
         — Quantas sedutoras nós temos no estoque?
         — Três.  A Marineide, a Estefânia e a Thallyele. Quem nós vamos escolher?
         — A que demonstrar mais medo. É mais emocionante quando você vê o terror extravasando pelos olhos delas.
         —Vou descer lá no porão e ver qual demonstra mais desespero.
         — Peraí, hoje não é dia dezessete? Então tem que ser um idiota.
         —Ih, é mesmo. Temos só dois idiotas.
         — Escolhe qualquer um aí então.
         — Está bem, eu te espero aqui em vinte minutos.
         — Saindo aqui, estarei aí rapidinho.
 
 
(...)
 
         — Idiota, não sabe nem que dia dezessete já pertence à segunda quinzena do mês, e nem que rotação é a Terra que faz em volta de si. Mal sabe ele que o idiota a ser morto hoje vai ser ele mesmo. Não é isso Voz Que Vem do Além?
Cláudio Antonio Mendes
Enviado por Cláudio Antonio Mendes em 05/07/2020
Alterado em 05/07/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Tweet
DECALOGIAS POÉTICAS Cláudio Antonio Mendes R$21,00 O HOMEM & SUAS PERDAS Cláudio Antonio Mendes R$20,00 UNI VERSOS Cláudio Antonio Mendes R$20,00 VERSOS INFECTANTES: (MÓ)MENTOS DE UMA PANDEMI... Cláudio Antonio Mendes R$25,00