Escritos do Cláudio

Não importa quem sou .Importante sim, de que me sujo.

Textos

TODO CAMINHONEIRO TEM UM PARENTE
O cara é parente de alguém. Todo mundo da família é parente. A direita brasileira também tem seu parente. Sim, ele se chama Pedro. E ele é uma espécie de pedra quando um governo de direita está no poder. Ele estava lá naquele apagão.
Mas todo mundo já ficou escuro por causa de um parente. É que o sujeito vai te visitar, gasta a energia indevida. Ou quando era lamparina, ficava até lá pelas dez da noite batendo papo, lembrando-se da infância, contando piadinhas sem graça, perguntando pela tinha que não vê há tempos. A gente não percebe que a querosene vai acabando dentro da latinha. E de repente o fogo mingua. A luz se vai e o parente deixa a gente no escuro.
Tem também aquela prima, que também é parente, que mesmo não apagando a luz, convida a gente para encostar um pouco mais prum canto, para a gente se beijar.
Mas tudo isso passa, hoje na casa da maioria dos parentes não há mais lamparina. E nem na nossa casa. Então a gente recebe o cara, ou a cara, que traz um monte de bugigangas eletrônicas. A primeira coisa é carregar o celular, depois de pedir a senha o wifi, claro. Depois vem o secador de cabelo, a chapinha, pede para usar o liquidificador para fazer sua mistureba que emagrece, usa o barbeador para barbear sei lá o que, e vai usando, abusando, se lambuzando, e de repente, a energia do barraco que é gato, cai. Fica todo mundo no escuro. E o parente segue causando apagão.
E quando a gente pensa que o parente foi embora, ele volta. Agora mais moderno. Mais abusado. Pede o carro emprestado e dá uma volta, duas, pede mais uma vez, e quando a gente percebe a gasolina acabou. Com a chegada do parente, agora há mais concorrência. Se o dólar subir, a gasolina também vai subir, o parente é sempre aborrecente. Então é preocupação e canseira, a gente tem vontade de estacionar a carreta no meio do caminho. Temos a sensação que o combustível está acabando.  Dá vontade de parafrasear o homem de Itabira de onde partem os poucos trens que ainda restam, “há um parente no meio do caminho, no meio do caminho há um parente.” Não tinha, ainda tem, há, agora , no Brasil onde a maioria pode escolher o seu Parente.
Cada um ganha a vida como pode e nem sempre se tem o parente que quer. Mas há quem escolheu o Parente. O Parente, com P maiúsculo, que gosta de causar apagão ou deixar o preço da gasolina, do etanol e do diesel flutuar e esquece que o que é volátil só sobe, nunca desce. O Parente parece não entender disso.
E o caminhoneiro parado no trevo, com um trevo de quatro folhas no bolso, arriscando a sorte nas estradas noturnas, trazendo tudo, levando tudo, da maionese do hambúrguer a erva que abastece a boca. Do remédio do hospital ao chumbinho para matar os ratos, os gatos, as cachorras, e abastece cada um no seu quadrado, tem o parente para sustentar e para se aperriar. Então o Parente chega como sua alegria, parece ser a salvação. A gente abre mão de outras pessoas e o acolhe. Ele vai ficando quieto no seu canto, ganha a confiança e a gente confia que ele sabe. Mas ele faz do jeito dele e bagunça a vida, se deixar, de um país inteiro. Então a gente passa a desejar a saída dele. A gente começa a entender a lição: a nem todo Pedro deve se dar a chave do céu e nem do galinheiro, mesmo se ele for Parente.
Então passamos a não ver a hora do parente voltar para donde veio e cuidar dos seus próprios frangos.

25/05/2018
Cláudio Antonio Mendes
Enviado por Cláudio Antonio Mendes em 25/05/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Tweet
O CASTELO DE ALICE Cláudio Antonio Mendes R$30,00 VERSOS INFECTANTES: (MÓ)MENTOS DE UMA PANDEMI... Cláudio Antonio Mendes R$20,00 O HOMEM & SUAS PERDAS Cláudio Antonio Mendes R$20,00 DECALOGIAS POÉTICAS Cláudio Antonio Mendes R$20,00 UNI VERSOS Cláudio Antonio Mendes R$20,00