Escritos do Cláudio
Não importa quem sou .Importante sim, de que me sujo.
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Perfil Livros à Venda Contato Links
Textos
O CHORO DOS ANJOS
 
     Eu sempre revezava com meu filho nas aragens de terra. É o momento propício para fazer uma boa grana, assim ele trabalhava uma parte do dia enquanto eu durmia e tinha condições orgânicas para virar a noite quando pego os terrenos maiores. Mas essa semana, após um desentendimento típico de pai e filho, o desgraçado arrumou outro serviço. Espraguejava sempre que ele me fazia falta e o cansaço me abatia. Naquele dia eu teria que virar a noite arando. O terreno era grande, porém com um cercado bem no meio. Isso iria dificultar ainda mais. Era aproximadamente 02h00 na noite escura quando comecei a arar próximo ao quadrado cercado com arame farpado. Eu tinha que manobrar para aproximar bastante do perímetro. Na quarta vez que eu estava me aproximando cochilei no volante. Quando me recompus, o trator havia rompido o arame enferrujado e feito um sulco profundo sobre o terreno. Desliguei o trator, respirei fundo e acendi um cigarro. Comecei a ouvir o choro de uma criança, estranho, o choro era forte e nenhuma casa por perto, agora são duas crianças, e agora três, quatro, algumas, várias, uma orquestra de choro infantil. De onde vinha? Parece que vinha do solo. Peguei a lanterna e vi o sulco na terra cheio de sangue. A terra sob meus pés mexia-se e formavam rostos de crianças. O som do choro era persistente. Subi na máquina e tentei ligá-la. A chave quebrou na ignição. Um cheiro de óleo diesel tomou conta do ar. Desci novamente e percebi o tanque furado. Vi o combustível manchando asas de anjos sobre o chão. Tremi e meu cigarro caiu aceso sobre o líquido inflamável. O meu girico pegou fogo. No clarão da chama detectei uma matilha se aproximando. Todos os cães do córrego vieram para o mesmo lugar, rodearam-me. Por alguns instantes, tanto eu quanto eles, ficamos imóveis. Mas quando trisquei a botina no chão para assustá-los, avançaram sobre meu fatigado corpo. Abocanhavam qualquer parte de mim. Arrastaram-me para fora do terreno. Atacavam-me como se fosse enxame de abelhas. Uma presa rasgou-me no pescoço, foi a mordida fatal. Apenas um corpo sem vida e todo retalhado sobre a terra arada foi encontrado na manhã pelo dono da terra. Não sei se seria diferente se tivessem me avisado que aquele cercado era um cemitério de anjos, lugar onde se enterravam natimortos.
Cláudio Antonio Mendes
Enviado por Cláudio Antonio Mendes em 24/06/2017
Alterado em 27/06/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
O CASTELO DE ALICE Cláudio Antonio Mendes R$ 35,00 VERSOS INFECTANTES: (MÓ)MENTOS DE UMA PANDEMI... Cláudio Antonio Mendes R$ 10,00 O HOMEM & SUAS PERDAS Cláudio Antonio Mendes R$ 20,00 DECALOGIAS POÉTICAS Cláudio Antonio Mendes R$ 20,00 UNI VERSOS Cláudio Antonio Mendes R$ 20,00
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Perfil Livros à Venda Contato Links